Império da dor: de caricata a necessária [Crítica da Série]

Segundo o Centro para o Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), cerca de 500 mil americanos morreram por conta de overdose de opioide nas primeiras décadas do século 21. O país vive uma epidemia de opioides e OxyContin, que faz parte da família de substâncias químicas da heroína, é um deles, centro da história da minissérie da Netflix. 

Baseado na obra Pain Killer, de Barry Meier, e também no artigo The Family That Built an Empire of Pain, de Patrick Radden Keefe, a série nos mostra como Richard Sackler (Matthew Broderick, nosso eterno Ferris Bueller de Curtindo a Vida Adoidado) pegou uma das empresas do tio e conseguiu ficar bilionário vendendo um remédio para dor,  duas vezes mais potente que a morfina, altamente viciante se aproveitando do marketing, do despreparo dos médicos e da negligência somada a corrupção do governo americano. 

A narrativa é conduzida pela personagem Edie Flowers (a brilhante Uzo Aduba), ex-funcionária do governo que começa há muito anos a investigar a Purdue Pharma. E por meio de flashbacks é que algumas respostas nos são dadas. Como conseguiram a aprovação de um remédio tão perigoso? Por que os médicos receitaram uma droga altamente viciante? Por que demoraram tanto para fazer algo? Por que o remédio ainda existe? E durante a história ainda conhecemos Glenn (Taylor Kitsch), um pai de família, como muitos outros, que teve a infelicidade de se acidentar e ter seu destino cruzado com o remédio e Shannon (West Duchovny), uma das vendedoras de OxyContin que ganhou muito dinheiro reproduzindo o discurso da farmacêutica.  


Quem assistir Dopesick no Star+ pode até fazer alguma comparação com Império da dor, já que o tema é o mesmo, mas a Netflix trabalha com menos profundidade, embora com momentos importantes e dramáticos. Difícil não sentir o absurdo ao descobrir de onde sair o estudo de referência do remédio, ou não sentir a dor dos familiares que aparecem em cada episódio. O que me levou também a um certo estranhamento em alguns momentos porque o roteiro tem certo humor. Tal como uma ótima trilha sonora. 

Richard Sackler de Matthew Broderick é um tanto caricato, o roteiro até tenta dar um pouco de profundidade ao personagem ao estabelecer uma relação cheia de complexidades com seu tio, mas falha.  Já Uzo Aduba é o grande destaque da minissérie! Uma atuação cheia de força e honestidade, desde dos momentos mais inocentes como a funcionária que acredita que vai mudar as coisas, até a já cética Edie Flowers

Império da dor tem um ótimo ritmo, o que mostra que a Netflix entende como fazer minissérie sem ser maçante. Não é uma obra prima, mas é claramente um produto feito para atingir mais pessoas sobre uma tema que realmente precisa ser notório. 

Michele Lima

One thought on “Império da dor: de caricata a necessária [Crítica da Série]

  • 15 de agosto de 2023 em 13:22
    Permalink

    Parece ser uma série bem polêmica e marcante. Quero muito assistir.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está no ar cheio de posts novos e novidades! Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+ Saiba tudo sobre A Noite das Bruxas!
Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+ Saiba tudo sobre A Noite das Bruxas!