Grace and Frankie [Crítica]

 

Grace and Frankie chegou ao fim na 7ª temporada. Triste, mas teve um final bonito ao menos! Bem ao estilo das duas senhoras incríveis!

Meu amor pela série foi imediato, em 2015 quando a Netflix lançou a produção, eu achei incrível o enredo com duas protagonistas na terceira idade recomeçando suas vidas depois de descobrirem que os maridos são gays e ficarão juntos! E nem dá pra ter qualquer raiva do Sol (Sam Waterston) e Robert (Martin Sheen) porque eles são adoráveis, apesar de ter mentido para suas esposas uma vida toda. No entanto, antes tarde do que nunca para serem felizes!

Ao longo das 7 temporadas, Grace e Frankie, que nunca foram amigas íntimas, ainda que os maridos fossem sócios, acabam se aproximando a ponto de uma não viver sem a outra. A amizade delas é maravilhosa! E elas são completamente diferentes! Grace (a incrível Jane Fonda) é uma mulher de negócios, rígida, objetiva e não gosta de demonstrar muito seus sentimentos, afoga tudo em um bom Martini! Já Frankie (a fantástica Lily Tomlin) tem um estilo hippie, artística, sonhadora, completamente sem noção! É impossível não amar Frankie. Juntas, as duas são quase imbatíveis, quase porque apesar de serem brilhantes e terem inventado um vibrador e uma privada para terceira idade, elas sofrem com a velhice, como qualquer outra pessoa. Teve uma temporada inclusive que o tema asilo é debatido, já que os filhos acreditam que é o melhor para as mães. 

Os coadjuvantes são ótimos. Sol e Robert são quase protagonistas, os dois vão enfrentar diferentes problemas agora que se assumiram e Robert na última temporada tem um tema muito delicado sobre perder a memória. Já Brianna (June Diane Raphael) e Mallory (Brooklyn Decker) evoluíram bastante profissionalmente. Bud (Baron Vaughn) se casa, tem filhos e descobre que ser advogado não é exatamente seu grande sonho. Já Coyote (Ethan Embry) começa a série lidando com a recuperação em dependência química e o tema é debatido até o final, mas é outro personagem que amadurece bastante.

O humor de Grace and Frankie é refinado e cheio de referências à cultura pop. É divertido demais ver as loucuras de Frankie que é praticamente a alma dessa série. E a evolução de Grace é outro ponto importante, já que ela vai lidando com seus sentimentos reprimidos. Vida sexual na terceira idade também é outro tema importante na série.


Sabemos que nem sempre os originais da Netflix duram e muitas vezes ficam perdidos no meio do caminho com cancelamento, igual a qualquer série de qualquer lugar. No entanto, é preciso dizer que o cuidado com Grace & Frankie foi mantido até o final. A série já dava claros indícios de perder o fôlego, mas Marta Kauffman e Howard J. Morris, criadores de Friends, conseguiram finalizar com grande estilo, digno de Jane Fonda. Lily Tomlin, Sam Waterston e Martin Sheen.

É muito melhor quando uma série termina com dignidade e qualidade do que quando fica se arrastando por várias temporadas só porque o início foi bom…. Quem gosta de uma boa comédia com poucos episódios por temporada e curta duração, a dica é Grace and Frankie

2 thoughts on “Grace and Frankie [Crítica]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.