Love, A História de Lisey

Ao ler a Love, A História de Lisey, de Stephen King, lembro-me de por que amo tanto o trabalho do Rei. Ele está em constante mudança, em constante evolução. Cada livro é uma experiência diferente. Cada livro é um conto diferente; no entanto, não há dois iguais. King foi além do gênero de terror com essa obra e escreveu uma, ouso dizer, obra-prima literária. É parte horror, parte história de amor, parte homenagem ao marido de uma mulher. É parte Creepshow, parte romance e absolutamente inclassificável. King escreveu um romance que, embora difícil de classificar, tem um coração que bate no centro.

Normalmente, quando leio um livro do autor, posso folheá-lo em alguns dias; independentemente do tamanho, e eu simplesmente não consegui fazer isso com este, as palavras não me deixaram. A prosa de King é tão bela, tão melódica, que foi impossível passar rapidamente, é difícil ler tão rápido como eu normalmente faço.

Parece que estou dançando com Lisey, flutuando em seus flashbacks, sua relação com Zack McCool. Mas a dança tem um lado sombrio, como se meu parceiro fosse me deixar cair no chão e pisar em mim a qualquer momento.

De qualquer forma, passando para a própria história. Eu não tinha certeza do que fazer com este livro quando o comecei, mas eu adorei. Escuro e assustador, este realmente me deu arrepios em alguns pontos. Ouvir os acontecimentos no porão da infância de Scott era uma dessas ocasiões. Para ser honesto, essa parte foi mais assustadora para mim.. Também achei interessante o tema da corrida sobre doença mental. King sempre tem uma maneira um pouco distorcida de ver o mundo, e achei perfeitamente adequado que ele descrevesse a doença mental da forma como o fez neste livro. Não como algo interno, mas como algo externo, quer infiltrando-se em você, quer chamando você para isso… e então mantendo você lá.

Mas mesmo com toda a aspereza, esta foi realmente uma bela história de amor e lealdade, confiança e aceitação. E sacrifício. Uma amiga mencionou que sentiu que era uma carta de amor de King para sua esposa. Eu posso entender isso, mas há muito mais nesta história.

Este livro é como uma colcha de retalhos da apreciação de King pelas coisas que o trouxeram onde está hoje. Tabitha King está definitivamente no topo dessa lista, mas ela não é, de longe, a única a receber uma gorjeta vinda do autor.

No final, não importa o quão bonito seja o romance, eu sei que é um romance de Stephen King e que algo sombrio está acontecendo, algo mais sombrio está esperando nas bordas da minha visão pra flutuar pelas páginas como uma sombra escura. É só uma questão de esperar por isso, percorrer meu caminho através do maior esforço literário de King’s até agora e esperar que o monstro apareça.

Sua descrição de alguns pontos da narrativa me lembrou fortemente da escrita de HP Lovecraft. Não apenas suas atrozes criações bestiais, mas também a teoria de Lovecraft de que às vezes o que fica invisível e inexplicável é muito mais assustador do que fenômenos explicados, independentemente de quão terrível possa ser. Nisto, senti que King estava prestando uma homenagem ao que ele cresceu lendo.

Ele também faz referência a suas próprias criações, Derry, Castle Rock e, claro, havia vários laços com a Torre Negra O Talismã.

Este livro foi definitivamente aquele que me faz pensar – sobre a natureza do amor e quanto de si mesmo é seguro dar a outra pessoa, e até onde iremos para ajudar aqueles que amamos. Me perguntaram recentemente se eu teria ficado com alguém como Scott. Tive que pensar um pouco, mas não muito. Se o elemento fantástico fosse removido, e fosse apenas uma doença mental, a pergunta ainda seria feita? Eu gostaria de pensar que não. Amamos quem amamos e, ao fazê-lo, os aceitamos, com defeitos e tudo, e os ajudamos nessa grande batalha chamada vida.

FICHA TÉCNICA
Título: Love, A história de Lisey
Autor: Stephen King
Onde Comprar: Amazon
Natália Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.