A Guerra do Amanhã [Crítica do Filme]

A Guerra do Amanhã estreou recentemente no Amazon Prime Video, estrelado por Chris Pratt e apesar de um roteiro com alguns furos e uma certa exigência para que se compre a ideia futurista, tem um bom entretenimento para passar o tempo.
Na história, a humanidade do futuro está sendo extinta por alienígenas que estão destruindo os humanos, usados simplesmente como comida. Com uma população reduzida, a humanidade encontrou uma maneira de viajar no tempo e recrutar novas pessoas para a guerra e uma delas é Dan Forester (Chris Pratt), ex-militar, cientista frustrado por nunca conseguir os empregos que gostaria e que acabou como professor de uma escola regular.
O longa dá rápidas e simples explicações sobre a viagem no tempo. As pessoas só podem se mover num intervalo de trinta anos, por isso, não conseguem voltar para o dia que os alienígenas aparecem, até porque pouco se sabe deles, apenas que se alimentam de humanos, são rápidos e difíceis de matar. Parecem visualmente uma mistura de dinossauros com répteis e macacos, monstros assustadores. Alguns questionamentos são evidentemente feitos por qualquer um que assista, principalmente quando percebemos que civis comuns estão sendo jogados sem preparo numa guerra praticamente perdida. Não consigo ver veracidade nisso, mas no fim do mundo de repente tudo pode ser possível.
Dan é um homem frustrado, com problemas com o pai, mas que ama demais sua esposa e filha. Inevitavelmente ele acaba se tornando um líder na guerra e descobrimos que seu papel acaba sendo fundamental. Sua relação com a comandante Forester (Yvonne Strahovski) é muito boa, complexa e cheia de reviravoltas. O elenco de apoio também agrada, Charlie de Sam Richardson é um bom alívio cômico e Dorian de Edwin Hodge é um homem que quer decidir a forma de morrer, não se importa em viajar no futuro para uma guerra insana.
Outro ponto que chama atenção no filme é a duração. Quando acreditamos que o filme está no fim, eis que aparece outro arco que estende demais a história, mas ao menos nos entrega algumas explicações sobre os alienígenas, ainda que as tomadas de decisões de Dan sejam bem questionáveis nessa parte.
No atual momento, todo filme que mostra a importância da ciência já ganha de certa forma meu apreço e as cenas de ação estão ótimas, méritos do diretor Chris McKay. E apesar do roteiro de Zach Dean pecar em alguns momentos, a história é boa o suficiente para nos fazer embarcar na ideia, principalmente porque no fundo o que move bem a história são os dramas familiares do protagonista.
A Guerra do Amanhã é um filme cheio de clichês, mas com boas cenas de ação, bom drama e bom elenco. Acabei gostando.
Trailer
FICHA TÉCNICA
Título: A guerra do amanhã
Título Original: The Tomorrow War
Direção: Chris McKay
Data de lançamento: 2 de julho de 2021
Prime Video
Michele Lima

2 thoughts on “A Guerra do Amanhã [Crítica do Filme]

  • 7 de julho de 2021 em 19:05
    Permalink

    Oi, Mi! Tudo bom?
    Eu tenho um problema grande com a cara do Chris Pratt e a presença dele, então perdi o interesse em assistir :/
    Mas adoro um clichê apocalíptico e nunca vou ter o suficiente!

    Beijos, Nizz.
    http://www.queriaestarlendo.com.br

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.