Um Homem por Inteiro [Crítica da Série]

Um homem por inteiro é uma minissérie da Netflix que tem aquela trama intrigante que cumpre o que promete, apesar do final!

Charlie Croker (Jeff Daniels) é um homem rico e poderoso, só que tem uma dívida que ultrapassa mais de 1 bilhão, o que convenhamos, não é incomum no mundo dos magnatas. O problema é que o banco está determinado a cobrar a dívida custe o que custar! Raymond Peepgrass (Tom Pelphrey) é o bancário motivado a acabar com a vida de Charlie, num misto de admiração e ódio pelo protagonista. Junto com ele temos Harry Zale (Bill Camp) que também está disposto a fazer com que o banco tenha seu dinheiro de volta.

A trama começa como se já estivesse em andamento, logo, não temos cenas que mostram como começa a raiva de Peepgrass por Charlie, aliás, o personagem não é nada simpático, pelo contrário, não me inspirou empatia de modo algum. Já Charlie é realmente um cara pomposo, com falas problemáticas, mas ao menos parece realmente querer ajudar sua secretária Jill (Chanté Adams). É daí que vem o segundo plot da série!

Conrad (Jon Michael Hill), casado com Jill, revoltado por ter seu carro apreendido injustamente e por ter uma ordem de prisão truculenta, acaba agredindo um policial e vai preso. Charlie pede para o advogado da empresa, Roger White (Aml Ameen), ajudar com a situação. Roger não é tão feliz na profissão e parece aborrecido o tempo todo, mas o caso de Conrad o desperta novamente! Toda a trama do personagem na cadeia é bem angustiante!

As duas histórias são praticamente paralelas, mas ajudam a série a ficar bem interessante. Peepgrass é bastante teimoso na sua caçada a Charlie e o protagonista por sua vez não se dá por vencido. Ao mesmo tempo que Peepgrass vai se tornando uma pessoa vingativa, Charlie vai nos mostrando uma pequena camada de generosidade em toda sua toxicade.

A série é bem curta com apenas 6 episódios, o que faz com que a trama não seja profunda, mas consegue prender atenção pela história e personagens! Destaque para Jon Michael Hill como Conrad em uma atuação excelente e a participação de Lucy Liu compondo o elenco! 

Infelizmente, o final foi corrido e nada satisfatório.

Michele Lima

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+
Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+