O Telefone Preto [Crítica do Filme]

O Telefone Preto é o novo suspense do diretor Scott Derrickson (O Exorcismo de Emily Rose e Doutor Estranho)! O mais curioso desse longa, além da angústia constante, é que apesar do sobrenatural nos dar boas cenas de sustos, o horror fica mesmo pela parte humana. 

Acompanhamos a vida de Finney (Mason Thames) que mora com a irmã mais nova Gwen (Madeleine McGraw, excelente)  e uma pai alcoólatra, Terrence (Jeremy Davies). O protagonista sofre constantemente bullying e apanha dos valentões da escola, mas Robin (Miguel Cazarez Mora), que é seu amigo, o ajuda bastante neste quesito, o garoto sabe lutar bem. E Gwen tem uma personalidade incrível, forte, corajosa e também tenta defender o irmão como pode.

Alguns garotos da região sumiram misteriosamente, Gwen começa a sonhar com o caso, para irritação e preocupação do pai que acha que ela pode seguir o mesmo caminho trágico da mãe. No entanto, quando Finney é sequestrado, a irmã começa a buscar pistas nos seus sonhos.. A relação da garota com a religião rendeu bons momentos de monólogos divertidos. Finney inesperadamente acaba tendo ajuda dos garotos anteriores que morreram que se manifestam por meio de um telefone preto na parede do porão, onde ele está trancafiado.


A interações entre o Sequestrador (Ethan Hawke) e Finney são poucas, mas todas cheias de tensão, não sabemos exatamente o que ele fará com o protagonista, mas aos poucos os fantasmas dos garotos começam a dar dicas para Finney. Todos tentaram escapar, mas não conseguiram e seus planos inacabados viram também tentativas para o protagonista. 

Em um determinado momento o longa se torna previsível, sabemos que Finney não sairá de onde está tão facilmente, mesmo com as dicas. E o medo também vai diminuindo, a não ser pelas cenas de sustos que os fantasmas proporcionam. Entretanto, os protagonistas são tão carismáticos que é fácil embarcar na história e torcer por eles. 

Ainda que tenha Ethan Hawke no elenco, o destaque vai mesmo para atuações dos atores mirins Mason Thames e Madeleine McGraw preenchem a tela com ótimas atuações!

O Telefone Preto não é um filme muito assustador, mas a tensão e a angústia estão presentes. Não temos aqui um longa focado no sequestrador ou nos seus traumas, mas sim na superação dos medos de Finney, o que agrada também. 

Trailer

 

FICHA TÉCNICA

Título: O Telefone Preto
Título Original: The Black Phone
Direção: Scott Derrickson
Data de Lançamento no Brasil: 21 de julho de 2022 
Universal Pictures

Michele Lima

2 thoughts on “O Telefone Preto [Crítica do Filme]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.