The Good Doctor: 5ª temporada [Crítica]

The Good Doctor chegou em sua  quinta temporada cheio de surpresas. Achei que poderia ser um problema a saída de Claire (Antonia Tomaz), afinal, sempre foi uma personagem carismática e no fundo eu acreditava que ela em algum momento ficaria com Shaun (Freddie Highmore), mas a verdade é nem senti a ausência da personagem, mas gostei da volta dela em um episódio especial.

Nesta temporada temos Shaun e Lea (Paige Spara) tentando se casar (várias vezes) e na reta final até ganham um reality show! Isso porque novamente o autismo do protagonista fica em evidência. O relacionamento dos dois é sem dúvida um dos pontos altos da série e é bacana ver os dois avançando etapas e tentando se entenderem e se respeitarem. Mas não é o único relacionamento interessante da temporada Morgan (Fiona Gubelmann) e Park (Will Yun Lee)  juntos são ótimos, excelente química e os dois também possuem um certo amadurecimento no namoro deles. Morgan apesar de não operar mais ainda tem muito a oferecer e Park mostra evolução como médico. Audrey (Christina Chang) e Marcus (Hill Harper) não são um casal, mas tenho certeza que serão e os dois chamam atenção juntos no episódio em que vários médicos ficam chapados, aliás, excepcional esse episódio. Outra dupla é Jordan (Bria Henderson) e Asher (Noah Galvin), uma amizade muito boa e cheia de diferenças! E falando em amizade, Lea e Jordan se tornam melhores amigas, daquelas amizades que a gente adora e elas até viram sócias. Já Aaron (Richard Schiff), se afasta do hospital e depois volta, mas suas atitudes são altamente questionadas em vários momentos, todas com muita razão.


Entretanto, além das questões pessoais e médicas sempre abordadas, The Good Doctor nos apresentou uma trama cheia de reviravoltas em que somos apresentados a Salen (Rachel Bay Jones), a nova dona do hospital. Uma personagem cheia de ambiguidades e polêmicas que traz uma abordagem bem crua sobre administração de um hospital. Audrey e Salen tem uma ótima disputa e facilmente sabemos pra quem temos que torcer. 

O autismo segue como tema principal, mas The Good Doctor traz sempre novas histórias e os casos médicos seguem interessantes. Infelizmente, não é uma temporada sem problemas, o reality show foi bem inesperado e um tanto jogado, questionável em várias cenas em que pacientes aparecem. No entanto, o drama continua agradando, envolvente, com um bom ritmo e personagens cativantes. E vale ressaltar que o último episódio é cheio de bonitas cenas e um final que serve de ótimo gancho para a próxima temporada. 

Michele Lima

One thought on “The Good Doctor: 5ª temporada [Crítica]

  • 22 de junho de 2022 em 12:03
    Permalink

    Estou um pouco atrasado, mas vou colocar em dia em breve. Uma das melhores séries da atualidade! Recebi vários spoilers na minha cara, mas nem ligo para isso rsrs

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está de volta com muitos posts e novidades! Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.