Time do Coração [Crítica]

Time do Coração foi tudo aquilo que eu esperava: uma comédia familiar sem nada a acrescentar sobre o gênero. 

Gosto bastante do Kevin James e seu último trabalho Netflix me rendeu boas risadas que foi Pit Stop, mas não acreditava mesmo que Time do Coração com um tema tão batido quanto superação com times esportivos fosse um filme marcante. Na verdade, quando vi Rob Schneider no elenco fiquei até um pouco com receio sobre o tipo de comédia que seria apresentada, mas ficou na base família com tentativas de drama.

Baseado em fatos, Sean Payton (Kevin James) é um treinador famoso na NFL, mas se envolve em uma escândalo e é afastado por um ano do cargo, sem poder fazer absolutamente nada na liga profissional. Assim, ele volta para sua cidade e tenta se reconectar com seu filho que joga no time infantil de futebol americano. Sean não pensa em treinar o time do filho, até porque a relação com ele não é boa, mas não se controla e começa a dar dicas para o treinador (Taylor Lautner).


Sabendo que não pode se dar ao luxo de ignorar os conselhos de Sean, o treinador o convence a fazer parte do time e ajudar os garotos. O grupo é bem diverso e estão acostumados a perder, são crianças simpáticas de fácil carisma e algumas histórias são bem interessantes, como a de Harlan (Manny Magnus) que não consegue chutar direito porque fica nervoso nas partidas por conta de uma menina. Connor (Tait Blum) também tem um plot interessante com o pai e como é difícil ser filho de alguém famoso, um pai que se preocupa mais com carreira do que para o próprio filho. E o roteiro até tenta dar atenção ao drama familiar e acho que Kevin James até se sai bem, mas fica tudo bem superficial. E vale destacar Rob Schneider como namorado da ex-esposa do protagonista que serve para momentos divertidos.

Em suma, Time do coração navega por todos os clichês dos filmes do gênero, nada impactante, mas divertido numa tarde domingo. 

FICHA TÉCNICA

Título: Time do Coração
Título Original: Home Team
Direção: Charles Kinnane e Daniel Kinnane
Data de lançamento no Brasil: 28 de janeiro de 2022
Netflix

Michele Lima

2 thoughts on “Time do Coração [Crítica]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.