Passagem para o Futuro [Crítica]

Passagem para o Futuro é mais um daqueles filmes da Netflix que deveria ter um marketing maior. Estrelado por  Kento Yamazaki (Alice in Boderland), o longa mistura ficção científica com drama e romance na medida certa.

Soichiro Takakura (Yamazaki) é um jovem cientista que trabalha em protótipo de robô e uma bateria de plasma não recarregável em 1995. A sua irmã adotiva depois da morte dos pais vai viver com seu tio, um empresário ambicioso que junto com sua funcionária, Rin (Natsuna), arquiteta um plano para deixar Soichiro sem suas invenções. O plano dá certo e o protagonista fica extremamente abalado e pensa até em dormir em uma câmara criogênica por 30 anos, mas muda de ideia. No entanto, para todas as armadilhas darem certo, Rin precisa se livrar do protagonista e o coloca para dormir mesmo contra sua vontade.

O longa é dividido praticamente em duas partes, a primeira nos apresenta os personagens e descobrimos que Riko (Kaya Kiyohara) ama o irmão adotivo que tem um enorme carinho por ela, mas a rejeita pela idade. Riko tenta ajudar o protagonista avisando da trama do tio, mas ficamos em dúvida o que acontece com ela por um bom tempo. Também conhecemos Pete, o gato muito fofo e esperto de Soichiro.


A segunda parte é que guarda boas surpresas porque em 2025, Soichiro acorda num mundo futurista e é atendido por um humanoide enfermeiro chamado Pete (como seu gato) e é um protótipo do robô que o protagonista não terminou e nem a empresa que o roubou o fez, já que ela foi à falência por um misterioso advogado. E no meio da história ainda temos viagem no tempo que faz com que algumas coisas tenham sentido.

Dirigido por Takahiro Miki, o longa trabalha muito bem o alívio cômico em vários momentos e Naohito Fujiki como robô é excepcional! A trama é bastante envolvente e os personagens são ótimos, o amor inocente entre Soichiro e Riko é sutilmente trabalhado, bem como a relação dele com Pete (robô).  


Passagem para o Futuro é um filme de ficção baseado na obra The Door into Summer de Robert A. Heinlein. O longa é cheio de emoção e prende bastante atenção; talvez algumas questões possam dar um nó na cabeça, eu mesma fiquei me perguntando se não teria dois Soichiro no futuro, mas ainda assim me agradou bastante. 

FICHA TÉCNICA

Título: Passagem para o futuro
Título Original: The Door into Summer
Direção: Takahiro Miki
Data de lançamento no Brasil: 28 de dezembro de 2021
Netflix

Michele Lima

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.