Identidade [Crítica do Filme]

Tenso e elegante do primeiro ao último take, Identidade é a estreia ambiciosa na direção da atriz Rebecca Hall. Adaptação do romance de Nella Larsen de 1929 e com uma bela fotografia em p&b que lembram os melhores trabalhos do diretor de fotografia sueco Sven Nykvist. Identidade é um intrigante estudo de identidade racial onde duas mulheres negras tentam viver como se fossem brancas nos anos 20.
Irene, interpretada por uma expressiva Tessa Thompson, é casada com um médico negro e mãe de dois filhos. Leva uma vida de classe média e tem inclusive uma empregada negra. Ela se encontra casualmente com uma amiga de infância, Clare (Ruth Negga, incrível) numa casa de chás frequentada pela elite branca. Clare é casada com um branco rico e racista, mas sente falta do Harlem onde nasceu. Ela envereda pela vida de Irene para suavizar o tédio de sua vida de dondoca, enquanto Irene sente cada vez mais a necessidade de se distanciar de sua realidade, mesmo com os esforços de seu marido Brian (Andre Holland) em lembrar quem são.
A escolha da fotografia demasiadamente estourada em luzes é importante para que possamos ver como as protagonistas se enxergam. A pele de ambas as atrizes surge bem clara aos nossos olhos, mas os traços faciais de ambas estão lá, deixando explícita a sensação de que a qualquer momento podem sofrer algum ato de racismo ou violência.
Nesse triste jogo de aparências (ou de quem disfarça melhor) a escolha de Tessa e Ruth foi fundamental. Tessa é silenciosa, transmitindo emoções que vão do desconforto ao desassossego apenas com o olhar, enquanto Ruth é exuberância pura do figurino ao sorriso, enchendo a tela como se fosse uma diva do cinema mudo. O avança e retrocede que uma faz sobre a linha tênue da divisão racial que separa uma da outra é o que sustenta os 90 minutos de duração. Não há refresco ou descontração mesmo durante festas animadas com jazz e encontros entre amigos – o racismo permeia toda a narrativa, tornando-a triste, muito triste. Se o nó na garganta só cresce desde os créditos iniciais e explode em seus últimos momentos, os méritos são para a combinação acertada entre direção, texto e elenco.
Mais um ótimo filme para o catálogo da Netflix
FICHA TÉCNICA
Título: Identidade
Título Original: Passing
Direção: Rebecca Hall
Data de lançamento: 11 de novembro de 2021
Netflix
Italo Morelli Jr. 

2 thoughts on “Identidade [Crítica do Filme]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+ Saiba tudo sobre A Noite das Bruxas!
Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+ Saiba tudo sobre A Noite das Bruxas!