Antes que você saiba meu nome [Resenha Literária]

Tenho medo de ser assassinada. Se eu fosse uma pessoa mais supersticiosa, temeria que escrever e publicar essa declaração faria com que um assassino local lendo isso me encontrasse e me matasse.

Sei que a pessoa com maior probabilidade de me matar é a pessoa com quem durmo ao lado, com quem passo a maior parte do tempo e confio que não vai envenenar meu café da manhã. No entanto, eu, como muitas, ou a maioria ou todas as mulheres, tenho um medo terrível de ser assassinada por um estranho.
Jacqueline Bublitz explora habilmente essa ansiedade e a ocorrência normal de apenas outra garota morta. A experiência de leitura é semelhante ao romance de Alice Sebold, Uma vida interrompida, no sentido de que não há nenhuma suspeita de que o personagem principal está morto – ela lhe conta na página um. Mas desta vez, a vida antes da morte e as ondulações que uma única morte pode causar na vida de outras pessoas, é o sistema nervoso pulsante desta história fascinante e inquietante.
É uma ideia tão simples, mas este romance é um comentário radical e esperado sobre todo o gênero de garotas mortas, bem como sobre o verdadeiro boom da cultura do crime da última meia década ou algo assim.
O livro foi elaborado em torno de um ato central de violência – o assassinato de Alice. Mas, crucialmente, somos apresentados à nossa garota morta não por meio do que acontece com ela, mas sim pela pessoa que ela é. Jovem, desolada, mas cheia da energia de uma jovem de 18 anos, Alice está fugindo de uma vida de privação mundana, em direção a um isolamento mais perfeito na agitação da cidade de Nova York.

“Você logo terá uma ideia de quem eu sou. Há muitas de nós, meninas mortas, por aí. Para quem vê de fora, muitas das nossas histórias parecem iguais. (…) Isso já seria alguma coisa. Depois de tudo o que perdemos.”

Enquanto isso, Ruby, uma australiana mais velha que Alice, embarca em sua própria fuga para Nova York, fugindo das falsas promessas e remorsos de um caso de amor condenado à vários nadas.
Existem paralelos óbvios nas experiências dessas mulheres – amor, solidão e a cidade – que são agravados pelas trágicas circunstâncias que as unem. Esses paralelos também destacam a aleatoriedade que está em jogo, a coincidência confusa, quando uma deles é assassinada e a outra encontra o corpo.
O mundo acaba para Alice na chuva de uma manhã em Nova York. Um novo mundo começa para Ruby no horror do assassinato de Alice. Ela se junta a um “Clube”, cujos membros têm suas vidas pressionadas contra a morte, talvez conhecendo um pouco melhor, seja mais fácil de compreender a finitude da vida.
Esses sobreviventes do mórbido e do miserável se encontram para saborear a melhor comida e bebida que a cidade tem a oferecer, enquanto tentam entender as perguntas do fundo da dor e da recuperação.
Enquanto Alice e Ruby estão lambendo as feridas do amor que deu errado, temos vislumbres da adulta que Alice poderia ter se tornado se tivesse tido permissão para viver. A estrutura narrativa permite que Alice nos leve nesta jornada por sua vida, sua morte e a vida da mulher destinada a ser a campeã neste lado do vazio. A voz de Alice, oscilando suavemente entre a vida e a morte, permite a ela e a nós, momentos de percepção das consequências de conexões com homens horríveis.
Como uma completa fã de crimes reais e uma conhecedora da vasta gama de podcasts e programas de TV disponíveis para pessoas como eu, estou perfeitamente ciente de que muitas pessoas não entendem por que alguém, uma mulher em particular, iria se expor aos detalhes repugnantes de crimes violentos. Costumo dizer às pessoas que é uma coisa de ansiedade, que sou uma pesquisadora diligente das coisas horríveis de que alguns homens são capazes.
Estou ciente de que conheço os nomes de incontáveis ​​assassinos em série, posso te contar detalhes de seus crimes, mas os nomes de suas vítimas são sombras que voam pelos becos da minha memória. Bublitz, aponta que o nome de uma garota morta, uma vez que ela está morta, geralmente só é útil na medida em que pode ajudar a identificar seu assassino, e não deveria ser assim… não mais.
Romances sobre crimes violentos que são profundamente feministas e enraizados na humanidade das vítimas, e não no glamour de homens maus, são raros. Romances pensativos, emocionantes, comoventes, perturbadores de gênero e que mostram como as mulheres são tratadas e como os homens pensam que podem tratá-las, como Antes que você saiba meu nome, são ainda mais raros.
Leia esse livro, você não vai querer perdê-lo!
FICHA TÉCNICA
Título: Antes que você saiba meu nome
Autora: Jacqueline Bublitz
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon
 
Natália Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.