Klaus [Resenha do Filme]

Eu amo um filme natalino! E vai se aproximando a época do Natal e a Netflix sempre traz alguns longas do gênero, dessa vez uma animação, Klaus.

Jesper e um jovem mimado, egoísta, preguiçoso e um péssimo estudante da academia postal, seu pai, o diretor, cansado das atitudes do filho, resolve puni-lo e o manda para uma ilha gelada para ser carteiro até o Natal. Para conseguir ter sua vida de volta, Jesper terá que conseguir entregar muitas cartas, algo impossível no local. Isso porque a ilha é dividida em duas famílias que se odeiam há muitas gerações, ninguém faz nada por lá a não ser se odiar e brigar o dia inteiro, nem as crianças vão pra escola! Ninguém quer mandar carta para ninguém.

No entanto, Jesper encontra Klaus, um lenhador solitário que tem um monte de brinquedos e quando o carteiro entrega um desses brinquedos a uma criança, boatos sobre esse misterioso homem começam a aparecer. As crianças passam a escrever cartinhas pedindo presentes que são entregues durante a noite. Jesper consegue a ajuda de Klaus e os dois passam a fazer as entregas, o protagonista entra escondido para deixar os brinquedos, inclusive pelas chaminés. E aos poucos vamos reconhecendo a origem do Papai Noel, não só por conta da entrega das cartas, mas também a origem do trenó, das renas que voam, da risada do Papai Noel e até mesmo o motivo para garotos malcriados não ganharem presentes.

E para serem bonzinhos e ganhar brinquedos as crianças passam a ajudar os pais, os vizinhos e boas atitudes começam a mudar o espírito da ilha, já que o povoado começa a ser gentil e as pessoas param de se odiar. As crianças que não sabem ler passam a frequentar a escola, para o desespero da antiga professor. uma jovem mulher que só quer vender peixe para juntar dinheiro e sair da ilha. Porém, o espírito da gentileza e amizade não agrada em nada os líderes das famílias rivais, afinal, a guerra precisa continuar.

Jesper é um protagonista divertido, bastante cara de pau e desesperado para sair da ilha, detesta o serviço de carteiro, mas aos poucos o personagem evolui bastante na animação. Sua relação com Klaus passa de estranheza a amizade e é interessante acompanhar os dois juntos. E destaque para Margu, personagem mais fofa dessa história.

Vale lembrar que na dublagem brasileira Daniel Boaventura é Klaus, Fernanda Vasconcellos é a professora Alva e Rodrigo Santoro é protagonista Jesper.

Klaus é um longa divertido, com situações engraçadas e é a definição do espírito natalino. Emociona em alguns momentos, principalmente no final, com uma amizade de amor e tolerância, recomendado para todas as idades. Uma grata surpresa neste ano!

 
Trailer
FICHA TÉCNICA
Título: Klaus
Direção: Sergio Pablos, Carlos Martínez López
Data de lançamento: 15 de novembro de 2019
Nota: 5/5
Netflix

Michele Lima

6 thoughts on “Klaus [Resenha do Filme]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.