Somente o mar sabe [Resenha do Filme]

Somente o mar sabe é um longa baseado em uma história real em que conta a história Donald Crowhurst (Colin Firth), um inventor no ramo das navegações que resolve se aventurar no mar envolvendo sua família em uma trama bastante audaciosa.
Donald é um sonhador, pai de três filhos, e ganhando pouco com suas invenções, fica bastante inspirado e resolve participar de uma corrida em volta ao mundo no mar. Para isso, ele conta com a ajuda da própria empresa para construir seu barco, o Teignmouth Electron. No entanto, antes mesmo que comece a corrida, Donald tem problemas. Mesmo com o apoio do seu assessor de imprensa (David Thewlis), o personagem enfrenta dificuldades para terminar seu ousado barco que seria o mais veloz de todos e com o dinheiro acabando, Donald pega cada vez mais empréstimos, colocando a casa e a empresa em risco.

Apesar de tudo mostrar que a viagem seria um fracasso, sua esposa Clare (Rachel Weisz) o apoia em todos os momentos. É evidente que a personagem não quer que o marido faça a viagem, além de se afastar por meses da família, que já se encontra com problemas financeiros, o risco de algo dar errado seria muito grande. E Donald já entra na disputa bastante atrasado e sem muita energia desde o princípio.
A narrativa do longa é um pouco lenta no começo, com muitos momentos de silêncio e cenas em que mostram o companheirismo do casal. No entanto, quando Donald finalmente entra na corrida, a tensão começa a crescer até os momentos finais da trama. O filme se passa na década de 60 e tem uma ótima ambientação, não só com figurinos, como em tecnologias da época em detalhes que podem até passar despercebidos.

Donald não é um personagem fácil de defender, o que ele faz com a própria família soa egoísta e esses sentimentos acabam também tomando conta do personagem em muitos momentos, como um fardo enorme que ele não consegue carregar. As atitudes de Donald na trama não fazem com que o espectador torça muito por ele, mas o carisma de Colin Firth entra em ação e fica difícil não se simpatizar pelo protagonista em seus momentos de solidão ao mar. E embora Rachel Weisz se saia muito bem no papel de esposa leal, é Firth quem carrega quase toda a história.
O protagonista passa longos dias sozinho em alto mar, às vezes bastante lúcido e com planos de vitórias que nos demonstram o quanto despreparado e iludido Donald está. O tema da solidão e dos sonhos é bastante explorado por nos mostrar um personagem complexo em uma situação extrema e desesperada.

Aconselho o espectador a não ler sobre a história de Donald Crowhurst antes de assistir ao filme, porque o enredo acaba nos dando boas surpresas que nos fazem ficar curiosos com o desfecho final!
Trailer:
FICHA TÉCNICA
Título: Somente o mar sabe 
Título Original: The Mercy
Diretor: James Marsh
Data do lançamento: 26 de abril 2018
Nota: 3/5

*conferimos o filme na cabine de impresa

Michele Lima

5 thoughts on “Somente o mar sabe [Resenha do Filme]

  • 26 de abril de 2018 em 16:09
    Permalink

    Colin Firth não acerta uma desde 2010 …

    clebereldridge.blogspot.com.br

    Resposta
  • 26 de abril de 2018 em 17:35
    Permalink

    Oiii Mi

    O elenco desse filme é muito bom, só por isso já quero assistir, acho a Rachel por exemplo uma das melhores atrizes atualmente. A história também parece ser bem legal, boa dica de assistirmos o filme ás cegas, sem saber muito da vida dele, e esperar pelas surpresas que virão, isso deve fazer do filme uma história bem interessante.

    Beijos

    http://www.derepentenoultimolivro.com

    Resposta
  • 26 de abril de 2018 em 18:57
    Permalink

    Oi, Mi!
    Nem tinha ouvido falar desse filme.
    Mas só de ver o Colin Firth já me convenceu. Ele tem muito carisma mesmo e sempre conquista a gente.
    Adoro filmes de histórias reais e juro que não vou procurar nada antes de assistir.
    Só pelas fotos que você colocou dá para ver que realmente a ambientação ficou bem bonita.

    Beijooos

    http://www.casosacasoselivros.com

    Resposta
  • 26 de abril de 2018 em 19:09
    Permalink

    Olá, Michele.
    Se fosse meu marido eu pedia o divorcio hehe. Não sei se vou assistir esse filme. Pelo jeito é meio parado pro meu gosto.

    Prefácio

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dorama: Uma Família Inusitada Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino
Dorama: Uma Família Inusitada Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino