Ghostbusters – Mais Além [Crítica]

Já pelo trailer dava pra perceber que Ghostbusters – Mais Além era uma bonita homenagem aos Caça-Fantasmas e de fato, dando jus ao nome em português, foram mais além. Não só de nostalgia e easter egg que vive o filme, mas é fortemente embalado pelo longa dos anos 80. 

Mckenna Grace já viveu uma garota inteligente em Young Sheldon, mas aqui ela é Phoebe, a protagonista do filme. Sua mãe guarda um grande rancor do pai que a abandonou e sem ter dinheiro, despejada, ela vai morar na fazenda de Egon Spengler que deixa de herança pra ela. Logo no começo do filme vemos Spengler tentando pegar um fantasma, mas falecendo no processo. 

Quando Callie (Carrie Coon), Trevor (Finn Wolfhard, ator de Stranger Things) e Phoebe chegam no lugar descobrem por Janine (Annie Potts, atriz que viveu originalmente a personagem e também está no elenco de Young Sheldon) que Spengler estava falido, só restou mesmo a fazenda caindo aos pedaços e sem plantação.

Enquanto Trevor se interessa por Lucky (Celeste O’Connor) e arruma um trabalho de verão na lanchonete local, Phoebe vai pra escola e conhece o mega carismático Podcast (Logan Kim), além do professor Grooberson (Paul Rudd), que geralmente passa filmes dos anos 80 para os alunos para trabalhar em paz em sua própria pesquisa sobre o local. Summerville tem terremotos diários o que chama a atenção dele. 

Phoebe, que tem uma personalidade parecida com o seu avô Caça-Fantasma, aos poucos começa a perceber fenômenos estranhos na casa e junto com Podcast e o irresponsável, mas engraçado do professor Grooberson, descobrem que fantasmas de fato existem e que Spengler estava trabalhando para impedir a volta de Gozer.

É bastante prazeroso ver as crianças descobrindo os Caça- Fantasmas, os aparelhos antigos, o carro Ecto-1 e diria que o bastão foi passado de uma maneira muito orgânica! O longa tem seus momentos de suspense, mistérios e muita diversão, impossível não rir dos mini bonecos de Marshmallow ou viver momentos nostálgicos ao ver Phoebe, Trevor e Podcast descobrindo tudo que o carro antigo poderia fazer. 

Ghostbusters – Mais Além é um filme de aventura moderno, mas com ecos dos anos 80, temos participações de Bill Murray, Dan Aykroyd e Ernie Hudson também é uma cena pós-crédito com Sigourney Weaver. O final foi uma linda e emocionante homenagem a Harold Ramis, roteirista e ator que fazia Egon Spengler e morreu em 2014. Para os mais emotivos como eu, é possível ter algumas lágrimas caídas na cena final.

Jason Reitman consegue pegar toda a essência dos filmes originais e trabalha muito bem com o legado do pai. E vale lembrar que Catherine Reitman, criadora de Supermães, é irmã de Jason e filha de Ivan Reitman. Que família incrível!

FICHA TÉCNICA

Título: Ghostbusters – Mais Além
Título Original:  Ghostbusters: Afterlife
Diretor: Jason Reitman
Data de lançamento: 18 de novembro de 2021
Sony Pictures

Michele Lima

One thought on “Ghostbusters – Mais Além [Crítica]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.