Justiça em Família [Crítica do Filme]

Como as primeiras as primeiras críticas que saíram de Justiça em Família me deixaram bem desanimadas com o filme, eu fui assistir o longa esperando algo muito ruim! Bem, excelente não é, mas já vi muito piores.
Ray Cooper (Jason Momoa) é um treinador de boxe que perde sua esposa para o câncer, mas antes teve sua esperança e de sua filha, Amanda Cooper (Isabela Merced), alimentada pelo médico do hospital que o informou sobre uma medicação genérica que poderia ajudá-la, mas uma indústria farmacêutica compra o remédio e o congela no mercado para não ser prejudicada. Com isso, Ray coloca a culpa da morte da esposa nas costas da farmacêutica que obviamente não dá a mínima, mesmo ele ameaçando o presidente da empresa publicamente.
Um tempo depois um jornalista procura Ray porque sabe demais coisas e quer expor o caso, mas ambos sofrem um ataque que mostra que os chefes da empresa estão um passo à frente deles. Outro salto temporal e em dois anos vemos Rachel lutando e descontando suas frustrações nos treinos. E todo o filme vai nos apresentando uma jornada de vingança que começa com o assassinato do presidente da farmacêutica e avança para os verdadeiros chefões. E enquanto isso, não só o FBI está numa busca implacável por conta das mortes, mas encontramos um vilão (Manuel Garcia-Rulfo) daqueles bem rasos que quer eliminar Cooper.
Apesar de Momoa ser excepcional nas cenas de lutas, o grande destaque , como já mostra no título original, é Isabela Merced, não só porque ela também sabe lutar, mas pela parte dramática que fica bastante a cargo dela. E durante o filme vamos encontrando motivos para questionar as ações que nos aparecem, como se fossem furos para no final tudo fazer de certa forma sentido, mas não o suficiente para nos convencer. Se antes da reviravolta poderiam dizer que era um filme clichê com boas cenas de ação dirigidas por Brian Andrew Mendoza, depois da revelação o longa ficou em perspectiva interessante, mas com pouca credibilidade porque tudo é bem jogado em tela sem muita preocupação com os detalhes. E Manuel Garcia-Rulfo sem dúvida tinha um personagem que poderia ter sido melhor aproveitado.
Em suma, para quem assistiu A força da natureza com Mel Gibson vai com certeza achar Justiça em Família bem melhor, não é um filme impossível de assistir e quando fica monótono o plot twist ajuda bastante, mas é um longa completamente esquecível principalmente na carreira do Momoa.
Trailer
FICHA TÉCNICA
Título: Justiça em família
Título Original: Sweet Girl
Direção: Brian Andrew Mendoza
Data de lançamento: 20 de agosto de 2021
Nota: 2/5
Netflix
Michele Lima

4 thoughts on “Justiça em Família [Crítica do Filme]

  • 24 de agosto de 2021 em 16:45
    Permalink

    Excelente não é, mas já vi piores KKKKKK Nem conhecia o filme, mas já nem quero ver porque se todas as críticas são ruins não tá valendo muito a pena.
    Beijo!
    https://capitulotreze.com.br/

    Resposta
  • 24 de agosto de 2021 em 20:00
    Permalink

    Olá, Michele.
    Eu nem sabia desse filme até agora hehe. E acredito que não é um filme que eu vá gostar. Estou preferindo mais os de comédia no momento.

    Prefácio

    Resposta
  • 25 de agosto de 2021 em 18:21
    Permalink

    Esse filme eu passo rsrs

    Boa semana!

    O blog está em Hiatus de Inverno de 02 de agosto à 02 de setembro, mas comentaremos nos blogs amigos nesse período. Mesmo em Hiatus o blog tem um post novo, não deixe de conferir e comentar.

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+
Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino 5 doramas dublados no Star+