Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou [Crítica do Filme]

O diretor argentino radicado no Brasil, Hector Babenco (1946 – 2016) descobriu um câncer linfático aos 39 anos, assim que terminou as filmagens de O Beijo da Mulher Aranha, em 1985.
Mesmo doente, filmou o trágico e emocionante Ironweed (1987), Brincando nos Campos do Senhor (1991) e o sucesso de público Carandiru (2003), mas antes já havia entregado Lúcio Flávio – O Passageiro da Agonia (1977) e Pixote (1981) seu trabalho mais contundente.
Babenco é inegavelmente um dos maiores nomes da história do cinema e seus últimos momentos antes de partir estão lindamente registrados aqui neste Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou
A atriz Bárbara Paz, que se casou com ele em 2010, é a grande responsável pela obra. Com a ajuda dos produtores associados Willem Dafoe e Petra Costa, Bárbara produziu, dirigiu, roteirizou e montou o documentário, mas fez questão de exibir no mesmo, cenas aonde nem sabia usar o zoom da câmera.
Triste, melancólico e belo, o documentário todo rodado em p&b intercala cenas dos filmes nos quais Babenco atuou na juventude e cenas marcantes dos filmes que dirigiu, como a cena em que a prostituta Sueli (Marília Pêra) tomada por um súbito instinto maternal, dá o seio para Pixote (Fernando Ramos da Silva) e depois numa crise histérica o expulsa de casa – um dos momentos mais fortes do nosso cinema, visto e aplaudido em todo o mundo.
Com pouco mais de uma hora de duração, o doc é uma declaração de amor a vida, ao cinema e ao ofício de diretor, indicado para quem é fã dele, fã de cinema e até pra quem não gosta nem de um e nem de outro. Em seu último trabalho atrás das câmeras, Hector dirigiu o injustiçado e autobiográfico Meu Amigo Hindu (2015), onde foi interpretado por Willem Dafoe e contou com um participação pra lá de especial da própria esposa, Bárbara Paz. Ela protagoniza uma antológica cena final que também está neste doc e que, segundo Babenco, era a última cena que gostaria de filmar em vida. Uma bela e lúdica sequência final encerrando uma bela trajetória profissional.

Trailer

FICHA TÉCNICA
Título: Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou
Direção: Bárbara Paz 
Data de lançamento no Brasil: 26 de novembro de 2020
Imovision

Italo Morelli Jr.

3 thoughts on “Babenco – Alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou [Crítica do Filme]

  • 24 de novembro de 2020 em 22:37
    Permalink

    Olá,
    Estou bem curiosa pra conferir, assim como Meu Amigo Hindu que vivo adiando.
    Dele só assisti mesmo Carandiru, acho fantástico.
    Bem feliz pela Bárbara e esse reconhecimento.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

    Resposta
  • 25 de novembro de 2020 em 01:09
    Permalink

    Nossa, que interessante… não conhecia o diretor, mas ultimamente ando numa vibe de documentários que com certeza vou conferir esse, ainda mais produzido pela Bárbara
    Beijos
    Balaio de Babados

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.