A Mula [Resenha do Filme]

Anunciado como o último filme no qual Clint Eastwood dirige a si próprio – e que talvez continue apenas dirigindo do alto dos seus quase 90 anos – A Mula, infelizmente, não é um filme memorável como Gran Torino, mas é superior ao anterior Trem para Paris, apesar de estar distante anos luz dos excelentes Os Imperdoáveis, As Pontes de Madison e Menina de Ouro.
Baseado no artigo The Sinaloa Cartel´s 90-Year-Old Drug Mule, escrito por Sam Dolnick e publicado no The New York Times, A Mula conta a história real de Earl, veterano da guerra da Coréia que trabalha com o cultivo de flores. Separado da esposa, desprezado pela filha e em contato apenas com a neta por ter se dedicado em tempo integral ao trabalho e se afastado da família, Earl vê o seu negócio falir e devido ao ótimo histórico de motorista, é convidado a transportar cocaína em sua velha caminhonete.
Tem início então um road movie leve, com poucos momentos de tensão e muito humor graças a algumas tiradas espirituosas e politicamente incorretas. Infelizmente não existe aqui o selo de qualidade do cineasta Clint Eastwood e nem do ator. Os créditos de direção e atuação poderiam ser de qualquer outro diretor ou intérprete razoavelmente esforçado. O elenco de coadjuvantes conta com Alison Eastwood (filha do diretor), Andy Garcia (quase irreconhecível), Bradley Cooper (bem apagado) e Dianne Wiest, ótima como sempre, é o único grande destaque.
Clint é uma lenda do cinema e não precisa provar mais nada pra ninguém e muito menos agradar crítica ou público: tem em seu currículo 72 filmes como ator, 40 como diretor e 45 como produtor, além de ser compositor de várias trilhas sonoras. Há que se considerar sua idade avançada e a atual falta de bons roteiros disponíveis, mas não tem como assistir A Mula e ficar um pouco decepcionado com a falta de impacto que deveria/poderia ter. 
É uma história sobre um idoso envolvido com o tráfico de drogas e tudo é contado como se fosse um episódio estendido de alguma série agridoce enlatada daquelas que os norte americanos adoram. Muito fraco para um produto Eastwood e nem tão acima da média das atuais produções feitas em Hollywood, A Mula pode ser definido como um filme acomodado, sem ousadias e nenhuma cena antológica pra ficar na memória. Mesmo assim vale o ingresso pra conferir essa que pode ser (e a gente entende) a despedida de um dos maiores astros da sétima arte.
Trailer:
FICHA TÉCNICA
Título: A Mula
Título Original: The Mule
Direção: Clint Eastwood
Data de lançamento no Brasil: 14 de fevereiro 2019.
Nota 3/5




*conferimos o filme na cabine de imprensa
Italo Morelli Jr.

3 thoughts on “A Mula [Resenha do Filme]

  • 14 de fevereiro de 2019 em 15:30
    Permalink

    Oi Italo!
    Eu simplesmente amo Clint Eastwood e estou ansiosa para conferir esse filme, no qual ele mesmo atua e é diretor… deve ser muito bacana!
    Abraços!
    EVENTUAL OBRA DE FICÇÃO

    Resposta
  • 17 de fevereiro de 2019 em 02:02
    Permalink

    Oie!

    Eu confesso que estava bem ansiosa por assistir esse filme, exatamente por ser a história de um senhor idoso que entra para o tráfico de drogas… é uma história bem diferente, e que a gente espera que seja boa!
    Uma pena que não gostou tanto assim… mas ainda pretendo dar uma chance..

    Bjuus
    Início de Conversa

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.