Nasce uma estrela [Resenha do Filme]

Nasce uma estrela é a quarta adaptação da obra para os cinemas! A primeira é de 1937 com Janet Gaynor, a de 1954 com Judy Garland e em 1977 com a cantora Barbra Streisand, uma versão mais parecida com a atual, dessa vez com a dupla Lady Gaga e Bradley Cooper.

Ally (Lady Gaga) é uma jovem de forte personalidade que trabalha em um restaurante, mas sonha em ser cantora. Incentivada por seu melhor amigo, Ramon (Anthony Ramos), a protagonista se apresenta frequentemente num clube de Drag Queen. Um dia o astro da música Jackson Maine (Cooper) assiste sua apresentação e decide ajudá-la em sua carreira.

Os dois se envolvem amorosamente, numa relação bem intensa e Jackson começa a fazer duetos com Ally em seus shows. O sucesso é tão grande que a cantora passa a ter um empresário e consegue seguir carreira solo. No entanto, à medida que Ally cresce, Jackson declina como pessoa e consequentemente como profissional. Viciado em álcool, drogas, depressivo e com problemas auditivos, Jackson começa a ter bastante dificuldade em ter equilíbrio emocional, apenas Ally parece ser a única coisa boa em sua vida.

Ao contrário do que muitos imaginam, Jackson não é um homem invejoso, embora em um determinado momento tenha uma atitude bem ruim em relação ao sucesso de Ally, mais por sentir sua ausência e por conta das bebidas do que qualquer outra coisa. De modo geral, o protagonista apoia Ally em todos os momentos, inclusive a ajuda a gravar quando ela tem dificuldade no estúdio. Já a cantora não esquece o apoio que teve do namorado no início e permanece a seu lado nos momentos mais obscuros da vida dele. E assim, unidos apesar das dificuldades, os dois tentam equilibrar o sucesso com o relacionamento, mas os problemas de Jackson se tornam intoleráveis.

A relação amorosa é linda, de união, lealdade, admiração, a química de Gaga com Cooper é inegável e é impossível não se emocionar com eles. E além de uma história de amor incrível, cheia de altos e baixos, o longa sem dúvida chama atenção pela parte musical. A voz de Gaga, já conhecida pelos fãs, é forte, hipnotizante e Cooper com sua voz mais grossa balanceia muito bem os duetos e brilha nos solos também. Trilha sonora perfeita, e a canção Shallow é minha preferida.

O roteiro, também escrito por Cooper, é consistente e não deixa o longa se tornar um romance raso. Pelo contrário, a parte dramática é muito boa sem ser apelativa e Jackson acaba sendo um personagem mais forte do que Ally. E por isso, Nasce uma estrela é muito mais do Cooper do que da Gaga, já que as partes mais tensas são exigidas dele. Entretanto, Gaga está incrível na sua interpretação e não me surpreenderia com uma indicação ao Oscar.

Cooper se deu muito bem na direção, explora bem o drama, a voz de Gaga, o romance na medida certa, assim como o tema do alcoolismo e depressão.  Os protagonistas carregam muito bem o longa que tem uma excelente construção dos personagens, complexos e com carisma.

Nasce uma estrela é um daqueles filmes que emocionam bastante, confesso que no final não deu para segurar as lágrimas e espero que Cooper e Gaga trabalhem juntos mais vezes, a união foi ótima.

Trailer:
FICHA TÉCNICA
Título: Nasce uma estrela
Título: A Star Is Born
Direção: Bradley Cooper
Data de lançamento: 11 de outubro de 2018
Nota: 5/5

*conferimos o filme na cabine de imprensa

Michele Lima

8 thoughts on “Nasce uma estrela [Resenha do Filme]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.