Bingo – O Rei das Manhãs [Resenha do Filme]

Conferimos a Cabine de Imprensa de Bingo – O rei das Manhãs

Uma das coisas que mais me incomoda em roteiros baseados em biografias é a necessidade de ser piegas e nos convencer de que a pessoa é um santo! Não é o caso de Bingo, que foi baseado na história de Arlindo Barreto, também conhecido como o primeiro Bozo! O roteiro de Luiz Bolognesi não apela para sentimentalismos baratos e o que temos é a crua, dura e também divertida vida de um dos personagens mais famosos na TV nos anos 80.
Augusto Mendes (Vladimir Brichta) é filho de uma atriz famosa, ex-marido de uma atriz também famosa, mas um fracasso na carreira. Bem, não exatamente um fracasso, já que é um ator de sucesso na Pornochanchada, gênero de cinema bem comum no Brasil nos anos 80. Augusto tenta uma ponta na novela das nove na Mundial (leia-se Globo), mas não consegue e se sente bastante humilhado. Ao tentar fazer um teste na concorrência, o personagem descobre que estão buscando um palhaço para ser o Bingo (leia-se Bozo), apresentador de um programa infantil de extremo sucesso americano. De maneira ousada e muito engraçada, Augusto consegue um papel e até faz estágio no circo, onde temos a participação de Domingos Montagner, para melhorar sua performance. Augusto é excêntrico, egocêntrico, mas com certeza sempre foi uma pessoa dedicada ao trabalho. Até entrar no vício e perder completamente o controle de sua vida.
Cenas interessantíssimas são mostradas no longa, temos os bastidores da TV, personalidades importantes e a mensagem clara de que os números da audiência são mais importantes do que o ser humano por trás da arte. Temos Pedro Bial como diretor da Mundial, numa referência explícita ao Boni e Bingo consegue chegar ao primeiro lugar com o rebolado de Gretchen (Emanuelle Araújo), uma forma que ele encontrou de combater uma certa loira de maiô na concorrência, a Xuxa.
Desbocado, rancoroso, maluco, Bingo dá sua volta por cima e vamos do seu apogeu ao declínio na TV, até sua conversão à Igreja Batista, fato que não foi bem explorado e ponto positivo por isso. O longa não fica preso na obrigação de retratar qualquer tipo de religiosidade e de ter que necessariamente fazer qualquer espécie de redenção ao personagem. Ainda que o pouco mostrado tenha sido uma exigência de Arlindo Barreto.
Além de nos mostrar sobre o personagem, o grande foco do longa é a forte relação do protagonista com seu filho que percebe o afastamento do seu pai, seu grande herói. Augusto vai de bom pai à negligência, deixando o álcool, o trabalho e as drogas longe daquilo que aparentemente mais amava.
Além de um enredo que nos prende do início ao fim, o filme também se destaca pela excelente qualidade da produção. Daniel Rezende é ousado na direção, usa filtros que deixam as cenas externas iguais aos anos 80. Fotografia, trilha sonora, figurino, cenários, tudo muito bem ambientado, sem defeitos aparentes. E com um roteiro bem dinâmico somos envolvidos por um palhaço que nunca tratou a criança como idiota, em uma atuação excepcional de Vladimir Brichta.
Bingo – O rei das manhãs retrata bem a loucura e o politicamente incorreto dos anos 80, é uma comédia dramática nostálgica, divertida, com uma ótima produção que vale a pena ser conferida.
Trailer (para maiores de 18 anos)
FICHA TÉCNICA
Título: Bingo – O Rei das Manhãs
Direção: Daniel Rezende
Data de Lançamento no Brasil: 24 de agosto de 2017
Michele Lima

18 thoughts on “Bingo – O Rei das Manhãs [Resenha do Filme]

    • 22 de agosto de 2017 em 23:46
      Permalink

      Vladimir está excelente <3

      Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 00:50
    Permalink

    Mi, não sabia desse filme, sério! Fiquei surpresa com o post e muito legal saber desse lançamento, fiquei curiosa. Eu não sabia dessas coisas da vida dele. Obrigada pela dica, vou procurar assistir. xD

    Ah! Está tendo sorteio no meu blog, passa lá e confere. xD
    http://www.papuff.com

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 03:46
    Permalink

    OOOOOOOI

    quando eu vi o poster, achei que seria mais um filme brasileiro pastelão. Mas ó… sua resenha me fez mudar.
    Agora vejo que vai ser algo histórico e real, mostrando inclusive personalidades e costumes de uma época antiga na tv. QUERO VER.

    beijo
    http://www.beinghellz.com.br

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 05:52
    Permalink

    Oi, Mi

    Não é o tipo de filme que eu curto, por isso não pagaria para assistir, mas gostei de saber que é um filme crível e quando passar na TV a cabo posso até assistir…
    E que legal que a Emanuelle está fazendo o papel da rainha do meme! Hahahaha

    Beijos
    – Tami
    http://www.meuepilogo.com

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 10:03
    Permalink

    Mi, eu não tinha ideia que era uma "releitura" (ou "homenagem"?) ao Bozo!
    Agora sim quero ver hahahaha.

    Beijo!
    Cores do Vício

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 11:07
    Permalink

    Oi, Mi.
    Desde que vi a chamada na TV fiquei com vontade de assistir, ainda mais por ter o Vladimir rs.
    E que carga emocional pesada esse filme aparenta ter, a fotografia parece está incrível mesmo.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 14:23
    Permalink

    Oi, Mi!
    Quero muito ver esse filme, apesar de odiar palhaços, hahahahahaha.
    É que o Vladimir Britcha é incrível e sei que esse filme está sendo muito bem comentado.
    Sabe que eu adorei a Emanuelle Araújo ser a Gretchen? 😛
    Sei que essa é uma história real super interessante e adorei o fato de não mostrar ele como um santo, coisa que todo mundo sabe que ele nunca foi.

    Beijoooos

    http://www.casosacasoselivros.com
    http://www.livrosdateca.com

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 14:57
    Permalink

    Oi, tudo bem?
    Nossa como eu nuca tinha ouvido falar desse filme?
    Que bom saber que esse filme não tem apelação, apesar de não gostar muito do gênero fiquei bem curiosa para assistir.
    Beijos!
    Lost Words!

    Resposta
  • 23 de agosto de 2017 em 17:17
    Permalink

    Geeente, que legal esse filme, eu nunca tinha ouvido falar! Também sou dessas que não curte quando transformam a pessoa da biografia em santo, afinal, se é pra ser uma biografia, que seja real, né? Adorei a resenha!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    Resposta
  • 24 de agosto de 2017 em 00:16
    Permalink

    Oi Mi! Eu super confio na sua opinião, mas este filme não me atrai de jeito nenhum. Fico feliz que tenha gostado.
    Ps. quero ver a crítica de Torre Negra 🙂

    Resposta
  • 17 de setembro de 2017 em 03:07
    Permalink

    Oi
    eu fiquei curiosa com o filme, ainda mais porque tem o Vladimir e eu gosto bastante dele.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dorama: Uma Família Inusitada Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino
Dorama: Uma Família Inusitada Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino