Baywatch [Resenha do Filme]

Conferimos a Cabine de Imprensa de Baywatch

Já começo essa crítica dizendo que Baywatch não é um filme para ser levado a sério, é um longa para divertir principalmente para quem gosta de filmes como American Pie. Aliás, Baywatch é um filme que tira sarro de si mesmo e do seu próprio protagonista, já que Mitch Buchannon (Dwayne Johnson) não perde uma oportunidade para zoar com a cara de Matt Brody, fazendo várias referências hilárias a Boy Bands e High School Musical. Só por isso, já podemos entender que a intenção aqui é ser engraçado e ás vezes até exagerado demais.

Baseado na série famosa SOS Malibu, o longa conta a história de Mitch Buchannon (Dwayne Johnson), um excelente salva-vidas, orgulhoso do seu trabalho, praticamente a estrela da praia. Porém, o novo recruta Matt Brody (Zac Efron) chega para lhe dar alguns problemas, já que o rapaz é extremamente exibido e péssimo trabalhando em equipe. Junto com ele temos a recruta Summer (Alexandra Daddario) que se mostra inteligente, além de bonita; o recruta gordinho e atrapalhado, Ronnie (Jon Bass); C.J Parker (Kelly Rohrbach) que está o tempo todo correndo em câmera lenta, com um maiô com zíper que mostra mais do que qualquer salva-vidas mostraria e a leal Stephanie (Ilfenesh Hadera). Por conta do tráfico de drogas na praia, a equipe precisa investigar a personagem Victoria (Priyanka Chopra) e provar seu envolvimento no crime.

A premissa é muito simples, mas é incrível como o roteiro enrola para a resolução do caso, em determinado momento provar o crime seria fácil com uma simples foto, mas temos diversas complicações nada convincentes para movimentar a trama e por isso mesmo acaba sendo engraçado. Para citar algumas, em determinada situação Matt Brody precisa se disfarçar e ele resolve se vestir de mulher porque, claro, ninguém vai perceber Zac Efron de mulher! Nossa, quase uma planta de imperceptível. São situação exageradas desse tipo que fazem com que Baywatch acabe rindo de si mesmo, com cenas bem bizarras. Aliás, nada mais exagerado do que ter Zac Efron analisando um pênis de um homem morto, o que me faz lembrar Robert De Niro mostrando seu órgão sexual em Tirando o atraso. Fico pensando por que Zac Efron e cenas com pênis estão sempre conectados (pergunta retórica, nem precisam me responder).

Além da trama que envolve a investigação por parte da equipe de salva-vidas, também temos o relacionamento de Mitch e Matt, já que o recruta precisa entender a importância do seu trabalho e depois mostrar seu valor a seu líder. O relacionamento dos dois talvez seja o fator mais “serio” do filme. A paixão de Ronnie por C.J também gera todo um alívio cômico, já que temos o clássico rapaz gordinho e nerd apaixonado pela loira bonitona e simpática. Já a vilã Victoria é completamente estereotipada.

Gostei de ver Zac num papel de garoto bonito e sem inteligência e da forma como o roteiro brinca com isso e com a carreira do ator. O filme também gosta de brincar com as roupas das meninas e eu confesso que esperava piadas mais machistas, mas apesar do protagonismo masculino, as mulheres da equipe de salva-vidas são mais espertas que Matt e Ronnie juntos, o que acabou me agradando.

No final das contas, acabei dando boas risadas com Baywatch e acho que pode agradar ao público, desde que não se espere um longa complexo com piadas inteligentes.

Trailer:
 
 
FICHA TÉCNICA
Título: Baywatch
Diretor: Seth Gordon
Data do lançamento no Brasil: 15 de junho de 2017

Michele Lima

14 thoughts on “Baywatch [Resenha do Filme]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.