Anomalisa [Resenha do filme]

Conferimos a Cabine de Imprensa do filme Anomalisa do diretor Charlie Kaufman
Entrar na cabeça de Charlie Kaufman nunca é tarefa muito simples. Não é ir ao cinema, sentar, acompanhar uma história que terá seus dramas e felicidades e no final tudo acabará bem. Você sairá satisfeito, entretido e com sorrisos no rosto. Kaufman te leva ao cinema e pode até te fazer rir, mas será mais por incômodo ou até mesmo dificuldade em compreender o que foi que aconteceu. Vai te fazer pensar uma, duas e até três vezes sobre o que acabou de ver. Vai sair do cinema com pontos de interrogação fazendo ciranda sobre a sua cabeça. Ou ainda, pontos de interrogação intercalados com pontos de exclamação. Com Anomalisa não foi diferente! E o fato de ser uma animação gera um primeiro questionamento. Digo isso no sentido de que pessoas como eu e você, caro leitor, não podemos viver muitas das coisas apresentadas em animações, já que a liberdade da fantasia permeia personagens animadas.
O sentimento de que situações como aquelas não poderiam ser reais, mas na verdade o são, já incomoda bastante. Pura e simplesmente pelo fato de que Michael Stone, nosso querido (?) protagonista, está fazendo coisas que eu, você, alguém da sua família ou seu vizinho, faríamos sim. Ele toma remédios, ele toma banho, ele tem drink favorito. Lisa até gosta da Cindy Lauper (ahhh que coisa mágica essa sequência!). E tem baixo auto-estima. Michael é um escritor de motivação empresarial bem sucedido e que faz palestras motivadoras pelo país. É admirado e quase cultuado, inclusive por Lisa, que se vê numa situação bastante invejada por muitas fãs de homens bem-sucedidos e famosos, mas será que Michael é realmente bom como ele acredita ser? E será que não é apenas um ego gigantesco cada vez mais alimentado por ele próprio e toda a apreciação que passeia em volta dele? 
O que sentimos é confuso e misturado como a própria cabeça de Michael Stone. Seu ego pode ser imenso, mas ele também se culpa e se cobra de ações que poderiam ter levado sua vida em outra direção. E nos perguntamos se ele seguiria essa outra direção, caso ela aparecesse para ele. E ainda, se ao seguí-la, estaria ele em paz finalmente? No final das contas, Michael talvez seja apenas mais uma vítima da sociedade imediatista e caótica em que vivemos hoje em dia. Nada vai fazer muito sentido até que ele realmente queira colocar em pratos limpos que tipo de verdades irá suportar ou fingir que não o afetam. E Michael sou eu, você e todos nós. Seja bem-vindo ao mundo dele. Malkovich Malkovich? Malkovich. Se é que você me entende. 
4.5/5.0 
Cristiano Santos

12 thoughts on “Anomalisa [Resenha do filme]

  • 27 de janeiro de 2016 em 14:26
    Permalink

    Quando passei a vista rápido nas imagens, pensei por um instante que fosse um filme live action. Deve ser interessante a temática do filme. As animações em 3D CG estão cada vez mais presentes no universo cinematográfico. Ótimo post. Abs.
    Alexandre do blog Do Que Eu Leio
    @doqueeuleio

    Resposta
    • 28 de janeiro de 2016 em 02:46
      Permalink

      Hey thanks! Acho que tu entende mais da técnica do que eu 😛
      Mas vá ver o filme, vale a pena 😉

      Resposta
  • 27 de janeiro de 2016 em 15:55
    Permalink

    Parece ser um filme interessante, principalmente porque causa confusão ao que assiste; gosto disso.
    Ainda não conhecia esse trabalho. Ótima resenha.

    Desbrava(dores) de livros – Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores!

    Resposta
  • 27 de janeiro de 2016 em 18:07
    Permalink

    Gencth, jurava que era live action oO muito bem feito. Gosto de filmes e animações que conseguem te tirar da zona de conforto e te fazer questionar pequenas coisas do nosso cotidiano. Já entrou na minha lista! Parabéns 🙂
    Beijos
    Instante Efêmero | Instagram

    Resposta
    • 28 de janeiro de 2016 em 02:48
      Permalink

      Que bom que entrou na tua lista, Bianca! Depois quero saber o que achou 😉

      Resposta
  • 28 de janeiro de 2016 em 13:46
    Permalink

    Oi, Cristiano!
    Gente, estou no chão com esses efeitos da galera do CG viu? Estão de parabéns!
    Anotei aqui pra assistir.
    Beijos
    Balaio de Babados

    Resposta
    • 29 de janeiro de 2016 em 17:00
      Permalink

      Assista sim, Luiza! E depois quero saber o que achou 😉

      Resposta
  • 28 de janeiro de 2016 em 19:52
    Permalink

    Oi Cristiano,
    Nossa que traço realista…eu ia assistir esses dias, para a maratona do Oscar, acabei esquecendo.
    E já curiosa para essa sequência da Cindy Lauper.
    Espero gostar!

    tenha uma ótima quinta.
    Nana – Obsession Valley

    Resposta
    • 29 de janeiro de 2016 em 17:01
      Permalink

      Nana, tomara que curta! E posso dizer que a sequência Cindy Lauper é tão… sensível!

      Resposta
  • 28 de janeiro de 2016 em 20:30
    Permalink

    Eu nunca vi esse filme, mas eu fiquei impressionado com essas fotos da postagem, me parece um pouco diferente. Fiquei curioso em assistir, pois parece ser uma história interessante.
    A sua resenha foi ótima!
    http://letrasfloresecores.blogspot.com.br/

    Resposta
    • 29 de janeiro de 2016 em 17:02
      Permalink

      Pô, 'brigado Ruan! E não deixe de assistir!

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dorama: Uma Família Inusitada Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino
Dorama: Uma Família Inusitada Crítica: A Esposa do meu marido Dorama: Diva à Deriva Dorama: Nosso Destino